atendimento.coge@gmail.com
+55 (83) 3034-5185

Empreendedor x Investir em treinamento

Conteúdo para Gente em Desenvolvimento

Empreendedor x Investir em treinamento

Há uma pesquisa recente da Endeavor sobre o pensamento dos empreendedores a cerca de inúmeros assuntos. Hoje vamos destacar apenas um ponto: treinamento. Na pesquisa, empreendedores foram questionados sobre os motivos de não investirem em treinamento e desenvolvimento da equipe. Observe o que alguns responderam: “Não vale a pena”, “Não tenho retorno” e “Não sei como fazer”. As afirmações não só são reais, como você pode já ter escutado alguém próximo falar alguma delas. Ou, quem sabe, você mesmo já pode ter deixado de treinar a equipe por um destes motivos.

Treinar é básico quando quer fazer algo melhor. Até nós quando crianças, aprendendo a ler e escrever, passamos pela necessidade de repetir e treinar. Se você observa a sua equipe e acredita que deveriam agir de modo diferente, continue esta leitura. Uma boa forma de começar a perceber como treinar, e sobre o que falar com as pessoas, é observando o comportamento delas. Quando se trata de ambiente de trabalho, o líder precisa orientar as pessoas sobre: o negócio, suas regras, seus produtos ou serviços. Você se surpreenderia com a quantidade de pessoas que são contratadas para vender em uma loja, por exemplo, e só são apresentadas ao lugar e pronto.

É cordial mesmo mostrar o lugar, onde fica o caixa, o banheiro, como abrir e fechar, quais os horários e quais as obrigações do trabalho. Entretanto, contratar alguém com experiência em vendas não é suficiente para que seu atendimento aconteça da forma como você gostaria. Nem preciso dizer quantas experiências diferentes você já vivenciou por aí com os mais diferentes níveis de qualidade. Então, aquele pensamento que veio à sua mente: “será que a pessoa só vendeu na vida e eu ainda preciso dizer como ela tem que fazer isso?”. A resposta é SIM!

Nossa primeira sugestão é um treinamento básico para situar o funcionário à empresa. Uma boa integração à empresa do colaborador poderia conter:

O negócio:

  • O que faz? Sua atividade, produtos e serviços.
  • Clientes: perfil, como lidar, como agradar, cuidar, informar e agir quando exercendo sua função. Ou o mínimo para que se saiba quais os benefícios que o negócio proporciona.
  • Histórico: Tempo de funcionamento, resultados ao longo do tempo, prêmios, certificações; tudo que possa explicar a importância.
  • Como funciona o processo? Quais são as atividades chaves?
  • Conceitos técnicos mínimos: se sua atividade tem muitos conceitos técnicos relacionados, se certifique que as pessoas tenham contato com as palavras e o sentido delas, o mais rápido possível. Isto facilita não só o entendimento do negócio como um todo, como também evita que a pessoa se sinta perdida e demore a perceber o seu papel naquela situação.
  • Quem são seus concorrentes? Qual o diferencial em relação aos concorrentes?

As pessoas:

  • Qual o papel do colaborador neste negócio?
  • Qual o fluxo de informações ou mesmo um básico: “quem cuida do quê?”, quem atende primeiro, passam as informações para quem, quem conclui o negócio.
  • Quem são as pessoas que nela trabalham, por exemplo, quais as funções de um modo geral. Isto ajuda a situar a pessoa com quem pode resolver os problemas que vierem a aparecer no decorrer do trabalho.
  • Valores e comportamentos: Quais são os que fazem parte da cultura que a empresa gostaria de ter? E, quais os que não são “bem vindos” no ambiente de trabalho?

Ok, não é um descritivo detalhado de tudo, porque sabemos das restrições de tempo. Entretanto, imagine só você chegando em um novo negócio para comprar algo: Qual o nível de conhecimento que você espera que a pessoa que lhe atenderá tenha? Espera que ela saiba falar sobre o produto? Imagina que quando um vendedor lhe promete que pode entregar no mesmo dia, você poderá receber apenas 5 dias depois, por questões de atividades de entrega? É necessário entregar mais do que o seu negócio ou atividade para que o outro faça por você. É imprescindível que o outro saiba o que está fazendo, prometendo, falando e agindo diante do cliente que você tanto almeja que retorne.

Quando falamos em treinamento e desenvolvimento, tanto podemos falar do crescimento individual ou coletivo. Quem nunca treina a equipe (ou até seu único funcionário), pensa e espera que ele haja de uma forma. Esquece que, em geral, o indivíduo sequer sabe que se espera isso dele. Se nenhum dos assuntos que mencionei foram oficialmente tratados com seus colaboradores, escolha um e comece já. Não precisa de uma linda apresentação (se puder já ter, seria ótimo! Só não deixe de fazer por isso). O conteúdo é o mais importante. Depois você vai desenvolvendo seu estilo até chegar em uma apresentação show. Porquê para desenvolver é preciso treinar, que nada mais é do que: praticar, pensar sobre o assunto, praticar novamente, e praticar mais até que todos estejam melhores. E adivinha só, quem será beneficiado com um individuo treinado? O seu negócio.